Terapia da Aceitação e Compromisso (ACT) 

A Terapia da Aceitação e Compromisso (Acceptance and Commitment Therapy – ACT) é uma das terapias que compõem as Psicoterapias Cognitivo-Comportamentais de Terceira Geração que eu pratico nas minhas consultas. Estas correspondem à última geração de psicoterapias, ou seja, as terapias psicológicas mais modernas e atuais, e com uma melhor relação entre custos e benefícios para as pessoas que procuram fazer psicoterapia.

Esta terapia, tal como o nome indica – aceitação e compromisso – ensina-nos a aceitar os acontecimentos, as situações e as nossas emoções (por mais desagradáveis ou dolorosas que sejam), e a assumir o compromisso com a mudança e com o nosso desenvolvimento pessoal.

Quando somos confrontados com emoções desagradáveis e/ou dolorosas, podemos ter tendência para rejeitar, negar, evitar, fugir ou lutar contra essas emoções. No entanto, esta terapia mostra-nos o poder reparador e terapêutico da aceitação, quando aprendemos a compreender e a aceitar a vida como ela se apresenta para nós, interiormente (através das nossas emoções, sentimentos, pensamentos) e exteriormente (através dos acontecimentos, situações e/ou circunstâncias em que nos encontramos). A aceitação não significa resignação (como muitas vezes é interpretada), mas sim validação e compreensão, na medida em que aprendemos a validar e compreender a nossa experiência (interior e exterior), numa atitude gentil e amigável connosco próprios. Desta forma, aprendemos a contactar com as nossas emoções sem necessidade de as julgar, negar ou rejeitar, mas sim aceitando que temos o poder de suavizá-las e confortá-las, como um melhor amigo que nos tornamos para nós mesmos…

Quando aprendemos a amar as nossas emoções, o sofrimento é atenuado… Amar as nossas emoções significa saber aceitá-las, compreendê-las, acolhê-las e confortá-las, com sensibilidade e delicadeza… (Cláudia)

Esta terapia ajuda-nos também a perceber o que precisamos de fazer para que as nossas emoções, sentimentos e pensamentos, por mais desagradáveis e/ou dolorosos que sejam, não nos impeçam de avançar com a nossa vida. Assim, a terapia orienta-nos para o compromisso de mudança, através da reflexão sobre os nossos valores, do estabelecimento de objetivos pessoais e do desenvolvimento de planos de ação. Desta forma, aprendemos a incentivar-nos e encorajar-nos para a concretização das nossas metas pessoais, de acordo com aquilo que é mais importante para cada um de nós. Isto ajuda-nos a criar novos propósitos e significados para a nossa existência, o que, por conseguinte, ajuda a sentirmo-nos bem connosco próprios e com a vida.

O melhor compromisso que podemos estabelecer connosco próprios é o de nos tornarmos o nosso melhor amigo, aprendendo a cuidar de nós e a estar ao nosso lado, ao longo da vida (sobretudo nos momentos mais difíceis)… Para isso, precisamos de aprender a animar-nos, incentivar-nos e encorajar-nos para aquilo que é importante para nós, e saber congratular-nos e felicitar-nos pelos nossos esforços e pela nossa resiliência… (Cláudia)

Em suma, a Terapia da Aceitação e Compromisso ensina-nos a aceitar a nossa experiência, e a assumir o compromisso de cuidarmos de nós e de lutarmos pelos nossos valores e objetivos pessoais, para trazermos propósito e significado às nossas vidas.

O desenvolvimento desta terapia deve-se ao Psicólogo Clínico e Professor Steven C. Hayes, nos Estados Unidos da América. A terapia recorre a um conjunto diversificado de métodos psicoterapêuticos, desde as técnicas cognitivas e comportamentais (baseadas na Psicoterapia Cognitivo-Comportamental), as práticas de mindfulness, até outras técnicas terapêuticas, cuja eficácia se encontra comprovada.

A eficácia desta terapia está demonstrada cientificamente(*) para uma grande variedade de dificuldades e problemas, nomeadamente, de stress profissional, ansiedade de desempenho (ex., testes e exames de avaliação), ansiedade social, depressão, perturbação obsessivo-compulsiva, entre muitos outros. Esta terapia tem sido também utilizada para auxiliar o tratamento de casos de dor e/ou doença crónica (ex., diabetes, obesidade) e de abuso de substâncias. Os estudos científicos(*) e a prática clínica mostram-nos ainda que esta terapia pode ser benéfica para qualquer pessoa, uma vez que promove o nosso bem-estar mental, psicológico e emocional, conduzindo ao aumento da nossa satisfação com a vida.

A Terapia da Aceitação e Compromisso é eficaz quando praticada de forma isolada, mas demonstra maior sucesso (na ajuda que proporciona às pessoas que fazem esta psicoterapia) quando é praticada em conjunto com as outras terapias que compõem igualmente as Psicoterapias Cognitivo-Comportamentais de Terceira Geração, ou seja, em combinação com a Psicoterapia Cognitivo-Comportamental, a Terapia Cognitiva Baseada em Mindfulness, a Terapia Focada na Compaixão e a Terapia Comportamental Dialética.

A Psicoterapia é uma viagem de descobertas, aprendizagens, crescimento e desenvolvimento pessoal. Iniciar uma psicoterapia é um gesto de amor-próprio, porque decidimos cuidar de nós e das nossas emoções de forma gentil e amigável. É como aprendermos a dar a mão a nós próprios e a levarmo-nos ao colo (emocionalmente) ao longo da nossa vida, sobretudo, nos momentos mais difíceis… É uma experiência muito reveladora e transformadora, porque aprendemos a estar connosco próprios e a desfrutar da vida de uma forma muito mais harmoniosa, pacífica, serena, feliz e plena… (Cláudia)