O que é o ‘languishing’?

No artigo “Covid-19: Tem sentido alguma apatia e mal estar gerais? Talvez sofra de ‘languishing, pela jornalista Mariana Almeida Nogueira (revista Visão Saúde), o Doutor Ricardo João Teixeira, explica:

Languishing, definhamento na tradução literal, é, segundo Corey Keyes, o sociólogo que cunhou o termo, um vazio entre a depressão e o bem estar. “É uma sensação de cinzento, de embaciamento mental que cria muito uma sensação de desesperança”.

Há também uma certa inexplicabilidade, uma incapacidade de perceber porque sentimos este vazio. “Está muito associado à incerteza e tem a ver com a perceção e deteção de ameaça, por parte do nosso cérebro”, acrescenta, sublinhando que, ao contrário do numb, um estado de melancolia, o languishing trata-se de um definhamento preocupado e ansioso.

Este “entorpecimento da motivação”, como o apelida Ricardo João Teixeira, não é novo. Foi em 2002 que Corey Keys publicou , no Journal of Health and Social Behavior, o estudo que, além de cunhar o termo languishing, constatou que 12,1% de um grupo de adultos, com idades compreendidas entre os 25 e os 74 anos, preenchia os critérios para se encontrar neste estado.